Governo Já Quer Acabar Com a Isenção do Imposto nas Compras Abaixo de US$ 50 do Remessa Conforme

remessa conforme

Remessa Conforme: Em um anúncio recente, Dario Durigan, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, acendeu o sinal de alerta para aqueles que costumam fazer compras em sites internacionais como Shein e AliExpress.

O governo federal está considerando instituir uma alíquota mínima de 20% para remessas internacionais de até US$ 50, um cenário que pode trazer implicações tanto para consumidores quanto para o varejo nacional.

O Que Está Sendo Considerado?

O governo federal, representado pelo secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Dario Durigan, está considerando mudanças substanciais na forma como remessas internacionais de até US$ 50 são tributadas.

Segundo ele, uma alíquota de 20% está sendo considerada, mas ainda não há uma decisão final sobre o assunto.

O Motivo Por Trás da Consideração

O principal motivo por trás dessa iniciativa é financeiro. O Orçamento de 2024 prevê uma arrecadação de R$ 2,9 bilhões com a implementação do novo regime de tributação, chamado de “Remessa Conforme“.

Esta é uma estratégia do governo para aumentar a receita tributária sem necessariamente criar novos impostos, além de dar um passo adiante na regulamentação e fiscalização de compras internacionais.

Além do aspecto financeiro, outra razão importante é a redução de fraudes fiscais. O programa “Remessa Conforme” tem como objetivo tornar mais rigoroso o controle de mercadorias que entram no país, ajudando assim a combater a sonegação e a venda de produtos ilegais.

O governo também está sob pressão de vários grupos, especialmente do setor de varejo nacional, que defende uma maior igualdade tributária entre empresas nacionais e internacionais.

O Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) e outras entidades vêm reivindicando essa mudança, argumentando que a isenção para remessas de até US$ 50 é prejudicial para a indústria e o comércio nacionais.

Remessa Conforme: O Que É?

Este programa do governo tem como objetivo reduzir fraudes fiscais e começou a vigorar no início de agosto. Ele prevê isenção para remessas de até US$ 50 vindas de fora do país, com uma cobrança de 17% de alíquota do ICMS. Fora deste programa, as remessas são taxadas com uma alíquota de 60% do imposto de importação + 17% do ICMS.

Pressão do Varejo Nacional

O setor varejista brasileiro se posiciona contra essa isenção e busca igualdade tributária com as empresas internacionais de e-commerce. Segundo o Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), a medida poderia prejudicar seriamente o varejo e a indústria nacionais, levando ao fechamento de empresas e perda de empregos.

O Que Isso Significa Para o Consumidor?

Se a alíquota de 20% for confirmada, compras abaixo do valor de US$50 em sites internacionais poderão ficar mais caras, impactando diretamente o bolso do consumidor brasileiro.

Conclusão

A possível mudança na taxação de remessas internacionais ainda está em discussão, mas já gera debates e preocupações. Enquanto o governo estuda os dados e pondera as opções, o setor de varejo nacional e os consumidores ficam na expectativa de como essa questão irá se resolver. Fique de olho para atualizações sobre este tema polêmico que promete novos capítulos nos próximos meses.

Leave feedback about this

  • Leitura
  • Ponto de vista
  • Layout do site